Os lugares onde estivemos / Places where we have been

 

YANGON

 

A cidade verde, esmeralda e turquesa. Por onde ande é impossível não ver uma destas cores. Não se percebe se a cidade invadiu a floresta ou a floresta a cidade. É a cidade com mais zonas verdes em que já estivemos. Com a humidade, musgos crescem nos prédios da zona antiga, dando um ar decadente mas por outro lado inigualável. Mais que lugares para visitar é uma cidade para andar e meter o nariz em tudo. É uma cidade segura, mas cuidado com os passeios, porque são altos e algumas vezes com buracos.

 

 

 The green city, emerald and turquoise. Wherever you go it is impossible not to see one of these colors. It is not clear if the city invaded the forest or the forest the city. It is the city with the greenest areas in which we have been. With the humidity, mosses grow in the buildings of the old zone, giving a decadent air but on the other hand unequaled. More than places to visit is a city to walk and stick your nose at everything. It is a safe city, but beware of the sidewalks, because they are tall and sometimes with holes.

 

277A0567
277A0621
277A0558

 

Andar nas ruas de Yangon, principalmente no bairro chinês, da 15th à 25th (as maioria das ruas de Yangon Central, perpendiculares ao rio, são muito fáceis de localizar, porque são numeradas) é um espetáculo constante, desde manhã cedo, quando poderá apreciar o comércio com todo o tipo de produtos, principalmente comida.

Walking in the streets of Yangon, mainly in the Chinese quarter, from the 15th to the 25th (most of the Central Yangon streets, perpendicular to the river, are very easy to locate because they are numbered) is a constant spectacle, since early morning, where you can see the local trade with all kinds of products, mainly food.

 

277A0566
277A0571
277A0560BW2
277A0564
277A0570

 

 

 

277A0567_3

 

Tal como na maioria dos países do Sudeste Asiático, a comida é um dos aspectos centrais das cidades.

Por todo o lado podemos ver vendedores ambulantes fornecendo refeições prontas. Comer é  um festival de novos sabores e aromas, pois a multiplicidade de ervas aromáticas e especiarias utilizadas é muito superior ao que estamos habituados. Aqui temos dois tipos de comida:  de rua – principalmente noodles, tempuras, fritos e curries servida em restaurantes improvisados ao longo do passeio; e de restaurante traduzindo uma panóplia de influências – indiana, thai, japonesa, chinesa e das diversas regiões, nomeadamente Shan.

 

 

Like almost countries in Southeast Asia, the food is a central point in the cities.

Everywhere we can see street hawkers, providing ready meals. Eating is a festival of new flavors and aromas, because the multitude of herbs and spices used, is far superior to what we are accustomed to. Here we have two types: street food – noodles, tempuras, fried and curries served in improvised restaurants along the sidewalks, and restaurant food reflecting a panoply of influences – Indian, Thai, Japanese, Chinese and the various regions, namely Shan.

 

 

 

SLIDESHOW

As ruas de Yangon / Streets of Yangon

2º SLIDESHOW

Circular Train

 

3º SLIDESHOW

 

SHWEDAGON PAGODA

 

 

  • 277A3292
  • 277A3139
  • 277A3138
  • 277A3137
  • 277A3133
  • 277A0903
  • 277A0902
  • 277A0900
  • 277A0877
  • 277A0621
  • 277A0619
  • 277A0618
  • 277A0615
  • 277A0614
  • 277A0590
  • 277A0589
  • 277A0587
  • 277A0586
  • 277A0585
  • 277A0559
  • 277A0558
  • 277A0572
  • 277A0582BW
  • 277A0571
  • 277A0570
  • 277A0569
  • 277A0567_3
  • 277A0567
  • 277A0566
  • 277A0565
  • 277A0564
  • 277A0560BW2

  • 277A0687
  • 277A0688
  • 277A0692
  • 277A0693
  • 277A0698_2
  • 277A0703
  • 277A0709
  • 277A0719
  • 277A0720
  • 277A0729
  • 277A0725
  • 277A0730
  • 277A0790
  • 277A0792
  • 277A0873
  • 277A0877

  • 277A3196
  • 277A3212
  • 277A3211
  • 277A3197
  • 277A3198
  • 277A3201
  • 277A3206
  • 277A3207
  • 277A3208
  • 277A3222
  • 277A3221
  • 277A3220
  • 277A3219
  • 277A3218
  • 277A3217
  • 277A3214
  • 277A3213
  • 277A3223
  • 277A3224
  • 277A3226
  • 277A3228
  • 277A3229
  • 277A3231
  • 277A0681
  • 277A0680
  • 277A0679
  • 277A0677
  • 277A0673
  • 277A0672
  • 277A0671
  • 277A0668
  • 277A0666
  • 277A0664
  • 277A0662
  • 277A0661
  • 277A0660
  • 277A0659
  • 277A0658
  • 277A0657
  • 277A0656
  • 277A0655
  • 277A0654
  • 277A0653
  • 277A0652
  • 277A0651
  • 277A0649
  • 277A0647
  • 277A0646
  • 277A0645
  • 277A0642
  • 277A0640
  • 277A0638
  • 277A0637
  • 277A0627
  • 277A0628
  • 277A0631
  • 277A0632
  • 277A0633
  • 277A0634
  • 277A0636
  • 277A0635

 

Em relação aos restaurantes comemos em muitos, e só apenas uma vez repetimos por causa do excelente Ramen – Ippudo Ramen (Junction city – ultimo andar). São de destacar as shan noodles num restaurante mais simples – Aung Mingalar Shan Noodle Restaurant – curiosamente, depois de escrever isto, acabei por descobrir que tinha sido dado a conhecer por Anthony Bourdain – minha fonte de inspiração para a gastronomia e a quem dediquei aquele magnifíco prato de noodles. Nessa mesma rua (Nawaday st.) poderá encontrar vários restaurantes especialistas em Hot Pot, recomendo o JoJo Hot Pot. Muitos outros restaurantes simples tinham comida fantástica (alguns irritantemente não serviam cerveja… e comida picante com coca-cola ou chá não é para mim).

 

 

About restaurants, we ate at many, and only once did we repeat because of the excellent Ramen – Ippudo Ramen (Junction city – last floor). We also recomend, the shan noodles in a simpler restaurant – Aung Mingalar Shan Noodle Restaurant – interestingly, after writing this, I ended up discovering that it had been made known by Anthony Bourdain – my source of inspiration for the gastronomy and to whom I dedicated that Magnificent noodles dish. On the same street (Nawaday st.) you will find several Hot Pot restaurants,  we recommend JoJo Hot Pot. Many other simple restaurants had fantastic food. Some, annoyingly did not serve beer … and spicy food with coke or tea is not for me, although Olga drank green tea a lot.

 

2º SLIDESHOW – O Comboio circular / Circular train

 

Destaquei, das coisas para fazer em Yangon, o comboio circular. Andar no comboio circular é mergulhar na realidade de Yangon. se quer mesmo conhecer como é Yangon apanhe o comboio (Estação Central – plataforma 7 – sentido sul) e percorra os 45km (39 estações). A melhor hora para o fazer é de manhã cedo, para poder ver as deslocações de pessoas para o trabalho e para os mercados. O preço da viagem é irrisório – 200 kyats (enquanto não se lembrarem de criar um preço para estrangeiros, como nos barcos para Dala!). Pode descer e apanhar o seguinte, mas se o fizer tenha a certeza que é mesmo o seguinte e que não tem outro destino! Ao fim de algumas estações a primeira conclusão a tirar é que a floresta está a invadir Yangon (se calhar é ao contrário, mas o verde do musgo que invade os prédios dá essa sensação). O verde é constante, dos parques e zonas verdes selvagens. À medida que vamos avançando, as casas de betão ou tijolo vão dando lugar a casas de madeira e colmo, integradas no meio da floresta. A segunda conclusão é que o nível de vida é assustadoramente mais baixo do que o que imaginávamos no centro de Yangon, zonas como Pa Ywet Seik Kone, que conhecemos graças ao motorista de taxi que nos levou ao aeroporto, estão abaixo do limiar da pobreza. Essa visão ficará para sempre na nossa memória e só faz aumentar o nosso carinho por este povo que mesmo vivendo assim, mantém a amabilidade, cordialidade, e o sentido do bem só explicado pela prática religiosa do Budismo Theravada, extremamente rígido nos seus princípios.

 

 

Of note amongst the  things to do in Yangon, there is the circular train. Walking on the circular train is the immersion into the reality of Yangon. If you really want to know how Yangon is, take the train (Central Station – platform 7 – southbound) and travel 45km (39 stations). The best time to do this is early morning, so you can see people moving to work and markets. The price of the trip is ridiculous – 200 kyats (if they do not remember to create a price for foreigners, as on boats for Dala!). You can go down and get the next one, but if you do, make sure you are the right one and have no other destination! At the end of some stations, the first conclusion to draw is that the forest is invading Yangon. The green is constant, the houses full of moss, and as we move forward, the concrete or brick houses give way to houses of wood and thatch, integrated in the middle of the forest. The second conclusion is that the standard of living is frighteningly lower than what we imagined, in the center of Yangon. Areas like Pa Ywet Seik Kone, which we met thanks to the taxi driver who took us to the airport, are below the poverty line. This vision will remain forever in our memory and only increase our affection for this people who, while living in this way, maintains kindness, cordiality, and sense of good, only explained by the religious practice of Theravada Buddhism, extremely rigid in its principles.

 

3º SLIDE SHOW – SHWEDAGON PAGODA

 

Destacámos em segundo lugar o SHWEDAGON PAGODA, o templo mais importante da Myanmar, o mais belo de todos e um dos mais antigos (sec IV (?) construído pelo povo Mon que habitava e habita esta zona de Myanmar) e reconstruído diversas vezes após os vários terramotos . Quem entra neste templo (antes e depois de visitar os outros)  encontra um número muito superior de crentes, comparado com os outros templos. Neste pagoda (pagode é uma palavra portuguesa que foi importada para Myanmar e todos os locais sabem isso!) estarão relíquias de quatro Budas e  cabelos de Gautama Buda trazidos durante a sua vida. O número de pequenos pagodes, que rodeiam o central, como se pode ver nas fotografias é enorme (64). Tal como a maioria dos templos, tem quatro entradas (todas diferentes). Chegar ao Shwedagon Pagoda é fácil de táxi (não se esqueça do conselho (GRAB TAXIS) pois pagará cerca de metade do que normalmente lhe pedirão. Não se esqueça de levar água. Há vários potes com água, mas nós apesar de estarmos cheios de sede nunca caímos em tentação de o fazer, uma vez que são públicos, com púcaros de metal ou cerâmica, utilizados para beber.  Levar uma indumentária que tape ombros e pernas, ( se quiser ir de calções curtos basta levar um páreo e ata-lo à cintura) um saco para levar os chinelos (ou sapatos se não quiser andar de chinelos) e prepara-se para pagar 10000 kyats de entrada (nada de mais para o que vai ver). À saída se quiser chamar um GRAB, não se esqueça de dizer (por sms) em que porta está .

 

 

Secondly, we highlight SHWEDAGON PAGODA, the most important temple in Myanmar, the most beautiful of all and one of the oldest (sec IV (?) Built by the Mon people, who lived and inhabited this area of ​​Myanmar and rebuilt several times after the various earthquakes. Those who enter this temple, before and after visiting others, realize a much higher number of believers. In this pagoda (pagoda is a Portuguese word that was imported to Myanmar and all the locals know it!) Will be relics of four Buddhas and Gautama Buddha’s hair brought during his life. The number of small pagodas, which surround the center, as can be seen in the photographs, is enormous (64). Like most temples, it has four entrances (all different). Arriving at the Shwedagon Pagoda is easy, by taxi (do not forget the advice GRAB TAXIS) as you will pay about half of what you will normally be asked). Do not forget to bring water( there are several pots with water, but , although we were full of thirst we never fall into temptation to do so, since they are public, with metal or ceramic vases, used to drink) ,wear a clothing that covers shoulders and legs, (if you want to go in short shorts just take a pareo  and tie it, (or shoes if you do not want to use flip flops) and get ready to pay 10000 kyats of entrance (nothing more for what you will see) .On the exit, if you want to call a GRAB, do not forget to tell (by sms) what door it is on.